segunda-feira, 12 de março de 2012

INTERVIEW: Mário Lúcio de Freitas, que trabalhou na dublagem de Jem

O nome "Mário Lúcio de Freitas" pode não ser familiar, mais seus trabalhos marcaram uma geração, que até hoje, agradecem a ele. Ele foi o responsável pela adaptação e tradução dos temas de abertura de diversas séries animadas, entre elas: Os Cavaleiros do Zodíaco, Bananas de Pijama, Sailor Moon e claro, "Jem e as Hologramas".

Em uma SUPER entrevista, ele conta sobre sua carreira na dublagem (e fora dela), sobre seus trabalhos, sobre Jem e MUITO mais, tenho certeza que nessa entrevista, você vai saber de muitas novidades e claro, relembrar do passado.

Jem Brasil: Para começar, conte um pouco sobre sua carreira para os fãs da série e também de dublagem.
Mário: Sou produtor musical, arranjador, autor de canções e livros, ator, diretor de dramaturgia, entre outras funções. Pra conhecer minha carreira por inteiro, entre em meu site (marioluciodefreitas.com.br). Em relação à dublagem, fui o criador da dublagem musical no Brasil. Até então, as canções ficavam no idioma original, tanto as aberturas como as que integravam a história. Iniciei esse trabalho no final dos anos 70, com a série I Love Lucy. A primeira abertura dublada foi da série Marco, no início dos anos 80. Hoje, a dublagem musical se tornou "obrigatória" nas séries.

Jem Brasil: Como foi trabalhar com "Jem e as Hologramas"? E como surgiu o convite do SBT para a dublagem da série?
Mário: Trabalhar com Jem foi excelente, pois era uma série musical, tinha vários clips durante a história e a trama girava em torno de duas bandas famosas que batiam de frente. Nos anos 80, tudo que chegava à TVS (atual SBT) e que precisava de música era eu que fazia. Assim, em séries como Chaves, Ursinhos Carinhosos, Chapolin, Punky a levada da breca, etc. era eu que cuidava de criar uma abertura brasileira e de dublar as canções durante a história. Então, o convite para fazer Jem foi quase que automático.

Jem Brasil: Tire uma dúvida dos fãs: Jen foi dublada na BKS ou na Gota Mágica?
Mário: Nem em uma e nem na outra. Nos anos 80, a TVS (SBT) tinha uma dubladora própria, que era dentro da emissora, lá na Vila Guilherme. Jem foi dublada lá, mas pela mesma equipe que, posteriormente, seria da Gota Mágica, que não existia ainda, na época. Mas como fui eu que dirigi, muita gente associa até hoje tudo que fiz ao meu estúdio. Mas a Gota foi criada apenas no início dos anos 90. A primeira série a ser dublada no estúdios da Gota foi Cavaleiros do Zodíaco, para a qual fizemos tudo também: dublagem, produção e arranjo do CD, comerciais, shows em circo, etc.

Jem Brasil: Por que os últimos episódios de Jem nunca foram exibidos no Brasil? Eles chegaram a ser dublados?
Mário: Dublamos a série inteira, mas o SBT sempre teve a mania de cortar séries na metade. Isso aconteceu também com outras.

Jem Brasil: Você ainda trabalha com dublagem?
Mário: Trabalho com dramaturgia, em geral. Faço aúdios para DVDs; em parceria com Hellen Palácio, criamos livros infantis, com áudio (Luquinha, o menino que não sabia sorrir); produzimos todo tipo de áudio que envolva música e dramaturgia. Fizemos recentemente a audionovela do livro de Zibia Gasparetto: SE ABRINDO PRA VIDA.

Jem Brasil: "Jem e as Hologramas" esta sendo relançada nos Estados Unidos e também será relançada na Itália, Espanha, França e America Latina, incluindo Brasil. Existe chance de usarem a dublagem "original"? Se houver uma redublagem, você e os dubladores da primeira dublagem poderão participar?
Mário: Sim, poderemos participar. É só nos procurar. Quanto a utilizarem a dublagem original, acho pouco provável. O SBT não a venderia. Veja o que aconteceu com Punky, a levada da Breca, que também fizemos.

Jem Brasil: Também existem chances de um "remake", ou seja, uma nova série. Acha que os dubladores originais poderiam participar de uma série inédita de Jem?
Mário: Com certeza. Jem foi cantada por Sarah Regina e a Urânia pela Lady Zu. Eu dublei "Os Stingers". Tinha mais um pessoal que fazia os coros.

Jem Brasil: Como funcionava a dublagem naquela época?
Mário: Eu dirigi a dublagem musical, não a falada. Eram dois elencos diferentes. O ator falava e o cantor cantava. Assim, ficava bem dublado e bem cantado. Nunca utilizei dublador cantando. Esse é um erro da dublagem musical atual.

Jem Brasil: Houve uma redublagem dos 5 primeiros episódios, feita a pedido do extinto canal "Fox Kids" em 2003. Sabe dizer aonde essa redublagem ocorreu?
Mário: Sinceramente, nem sabia que foi feita. Mas não me procuraram.

Jem Brasil: A animação de "Jem e as Hologramas" foi feita pela "Toei Animation", que também trabalhou com "Sailor Moon" e "Cavaleiros do Zodíaco". Como foi trabalhar com tantas séries produzidas no Japão?
Mário: A Gota era o estúdio da moda. Todos queriam seu trabalho. Fizemos mais de 15 séries neste gênero. Além das citadas, Dragon Ball, Fly o pequeno guerreiro, Guerreira Mágicas, Samurai Warriors, Super Campeões, entre muitas outras. Fizemos muitos longametragens que vão pro ar até hoje na Rede Globo, como "Napoleon as aventuras de um cãozinho valente".

Jem Brasil: Existe um mito, que ronda até hoje, entre os fãs de Jem: É verdade que a dublagem confundiu o nome da personagem "Jérrica", chamando ela de "Jéssica" em alguns episódios?
Mário: Se isso ocorreu, não foi em minha parte. Dirigi apenas a dublagem musical.

Jem Brasil: Alguma vez, o SBT entrou em contato com você para uma redublagem ou algo novo, relacionado a Jem?
Mário: Não. Inclusive, nosso relacionamento está meio estremecido.

Jem Brasil: O público considera a abertura brasileira de "Jem e as Hologramas", uma das melhores do mundo. Se sente feliz por esse reconhecimento?
Mário: Sim, com certeza. Mas isso era uma característica de nosso trabalho. Fizemos mais de 45 aberturas, entre novelas, jornalísticos, programas de entretenimento, desenhos e vinhetas para o SBT (veja em nosso site – marioluciodefreitas.com.br). Felizmente, a maioria de grande sucesso. Sempre procuramos fazer o melhor possível.

Jem Brasil: Depois que a Gota Mágica faliu, você teve planos de montar outro estúdio?
Mário: A Gota não faliu. Ela apenas fechou as portas. Hoje em dia, não vale mais a pena ter um estúdio somente pra isso. Faz-se muitas coisas em casa. Quando preciso de estúdio, loco um.

Jem Brasil: Muitos boatos rondam sobre o possível motivo do estúdio ter falido, explique aos fãs, o que realmente aconteceu?
Mário: Como dá para se constatar, existe um reconhecimento da qualidade do estúdio até hoje, por isso, não foi por falta de trabalho que ele parou. Acontece que a Gota era uma firma baseada em uma equipe. Alguns integrantes dessa equipe abandonaram o barco e eu fiquei sozinho. Não poderia fazer voz de criança, de mulher, etc. Acabou ficando inviável.

Jem Brasil: Para finalizar, deixe uma mensagem para os fãs da série e também, os que sempre acompanharam seu trabalho.
Mário: Fico muito feliz de ver que, a cada dia, mais e mais pessoas vem a público para reconhecer a qualidade do que fizemos. Isso nos deixa com a consciência tranquila de que fizemos nosso melhor. Agradeço a todos por acompanhar nosso trabalho há tanto tempo. Obrigado, pessoal.

Obrigado ao Mário, pela entrevista, vale lembrar que essa é a primeira de muitas entrevistas que vão rolar por aqui, fiquem ligados!

3 comentários:

http:--allfreenext.blogspot.com disse...

Showa entrevista. Mário é um ídolo brasileiro. Parabéns pelo blog, adorei. Espero ver uma seção falando sobre as canções aqui ^^

Tsb anime - O maior espaço nacional de temas de anime

http://tsbanimeoficial.wordpress.com/

Big Lui disse...

Apagaram!? Meu Deus... só no Brasil mesmo para fazer tamanha heresia. Não sabem da mina de ouro que perderam... trouxas!

Quanto a entrevista, gostei muito... parabéns! Eu também falei de Jem no meu blog. É só clicar no link abaixo:

Jem e as Hologramas

PS: Se foi erro, eu até gostei. Porque Jerrica... que nome feio da p0rr@! He, he, he...

aragon-x disse...

O desenho que passou há anos na extinta Fox Kids foi dublado pela Masters Saunt.

Postar um comentário